Posts Tagged ‘Morrissey’

Morrissey Prepara Autobiografia

Morrissey

O cantor inglês Morrissey, ex-vocalista e líder da antológica banda The Smiths, anunciou esta semana que escreveu uma autobiografia. Segundo ele, o livro já está finalizado e tem mais de 600 páginas. Ele pretende revisar o material e cortar alguns trechos para diminuir a obra:

“Estou na fase de reavaliar o esboço e dar uma aparada. Repassei toda minha vida de várias formas e fico me perguntando se 660 páginas são um exagero para as pessoas aguentarem. Então, sento e penso: bom, será que seis páginas serão muita coisa para as pessoas aguentarem? Eu realmente não sei. Estou aparando.” afirmou Morrissey.

Ele também adiantou que pretende lançá-lo nos próximos 12 meses e ainda não fechou contrato com nenhuma editora, mas que tem preferência pela Penguim Books.  Resta saber se Morrissey contará detalhes de sua vida pessoal e das famosas desavenças com os integrantes do The Smiths.

Para relembrar:

Fonte: Revista Rolling Stones

Anúncios

Música do Dia: Morrissey – Suedehead

Suedehead

Why do you come here?
And why do you hang around?
I’m so sorry
I’m so sorry
Why do you come here
When you know it makes things hard for me?
When you know, oh
Why do you come?

Why do you telephone?
And why send me silly notes?
I’m so sorry
I’m so sorry
Why do you come here
When you know it makes things hard for me?
When you know, oh
Why do you come?

You had to sneak into my room
‘just’ to read my diary
It was just to see, just to see
All the things you knew I’d written about you
And so many illustrations

I’m so very sickened
Oh, I am so sickened now

It was a good lay, good lay
It was a good lay, good lay…

A Poesia do Rock And Roll

A revista BRAVO! do mês de julho está com uma reportagem muito boa homenageando os poetas do rock. Na capa, ninguém menos que Lou Reed, ex-Velvet Underground e que fez história com suas letras poéticas, sarcásticas e arrogantes. Lou participará da 8º Edição da Festa Literária de Paraty – FLIP, lançando o seu mais novo livro “Atravessar o fogo” (Editora Companhia das Letras), que reúne versos do artista e letras que transformaram o rock na arte que conhecemos. A reportagem fala também de dois outros nomes importantes do rock mundial: Bob Dylan e Steven Patrick Morrissey. Tanto Dylan quanto Morrissey, possuem letras que vão além do rock “Drogas e Sexo”, criando literatura de qualidade, influênciados por nomes literários como Charles Baudelaire, Oscar Wilde e Lord Byron.

Trecho da reportagem:

“A história da transformação da letra num item tão importante quanto a música na canção popular tem um herói insuspeitado. Nos Estados Unidos do século 20, de onde muitos gêneros foram exportados para o resto do mundo, o blues chegou a intercambiar versos entre uma composição e outra, pois o essencial era o sentimento. Seu afilhado Jazz quase sempre prescindiu das palavras e, quando as criou ou as foi buscar no cancioneiro popular, usou-as mais como outro suporte para a sonoridade geral do que como elemento em si. Coube, quem diria, ao bastardo rock trasnformar a letra numa arte independente, autônoma, digna de estudo e apreciação.”

Interlúdio

O tempo é como um sonho
E agora, por um tempo
Você é meu
Vamos nos agarrar rápido ao sonho
Que tem o gosto e as bolhas do vinho
Quem sabe (quem sabe)
Se isso é real
Ou apenas algo que nós dois sonhamos?
O que parece agora um interlúdio
Poderia ser o começo do amor
Amar você
É viver em um mundo que é estranho
Muito mais do que meu coração pode suportar
Amar você
Faz todo o mundo mudar
Amando você, eu não poderia envelhecer
Não, ninguém sabe
Quando o amor terminará
Então até lá, doce amigo
O tempo é como um sonho
E agora, por um tempo, você é meu
Vamos nos agarrar rápido ao sonho
Que tem o gosto e as bolhas do vinho
Quem sabe (quem sabe)
Se isso é real
Ou apenas algo que nós dois sonhamos?
O que agora parece um interlúdio
Poderia ser o começo do amor
O que agora parece um interlúdio
Poderia ser o começo do amor
O que agora parece um interlúdio
Poderia ser o começo do amor