Posts Tagged ‘Lou Reed’

Música do Dia: Lou Reed – Goodnight Ladies

Goodnight ladies, ladies goodnight
It’s time to say goodbye
Let me tell you, now, goodnight ladies, ladies goodnight
It’s time to say goodbye

Ah, all night long you’ve been drinking your tequilla rye
But now you’ve sucked your lemon peel dry
So why not get high, high, high and
Goodnight ladies, ladies goodnight

Goodnight ladies, ladies goodnight
It’s time to say goodbye
Goodnight sweet ladies, all ladies goodnight
It’s time to say goodbye, bye-bye

Ah, we’ve been together for the longest time
But now it’s time to get high
Come on, let’s get high, high, high
And goodnight ladies, ladies goodnight

Oh, I’m still missing my other half
Oh, it must be something I did in the past
Don’t it just make you wanna laugh
It’s a lonely Saturday night
Oh, nobody calls me on the telephone
I put another record on my stereo
But I’m still singing a song of you
It’s a lonely Saturday night

Now, if I was an actor or a dancer that was glamorous
Then, you know, an amourus life would soon be mine
But now the tinsel light of star break
Is all that’s left to applaud my heart break
And eleven o’clock I watch the network news

Oh, oh, oh, something tells me that you’re really gone
You said we could be friends, but that’s not what’s not what I want
And, anyway, my TV-dinner’s almost done
It’s a lonely Saturday night
I mean to tell you, it’s a lonely Saturday night
One more word, it’s a lonely Saturday night

Anúncios

Lou Reed e Metal Machine Trio – São Paulo 21/11/2010

A Poesia do Rock And Roll

A revista BRAVO! do mês de julho está com uma reportagem muito boa homenageando os poetas do rock. Na capa, ninguém menos que Lou Reed, ex-Velvet Underground e que fez história com suas letras poéticas, sarcásticas e arrogantes. Lou participará da 8º Edição da Festa Literária de Paraty – FLIP, lançando o seu mais novo livro “Atravessar o fogo” (Editora Companhia das Letras), que reúne versos do artista e letras que transformaram o rock na arte que conhecemos. A reportagem fala também de dois outros nomes importantes do rock mundial: Bob Dylan e Steven Patrick Morrissey. Tanto Dylan quanto Morrissey, possuem letras que vão além do rock “Drogas e Sexo”, criando literatura de qualidade, influênciados por nomes literários como Charles Baudelaire, Oscar Wilde e Lord Byron.

Trecho da reportagem:

“A história da transformação da letra num item tão importante quanto a música na canção popular tem um herói insuspeitado. Nos Estados Unidos do século 20, de onde muitos gêneros foram exportados para o resto do mundo, o blues chegou a intercambiar versos entre uma composição e outra, pois o essencial era o sentimento. Seu afilhado Jazz quase sempre prescindiu das palavras e, quando as criou ou as foi buscar no cancioneiro popular, usou-as mais como outro suporte para a sonoridade geral do que como elemento em si. Coube, quem diria, ao bastardo rock trasnformar a letra numa arte independente, autônoma, digna de estudo e apreciação.”

Interlúdio

O tempo é como um sonho
E agora, por um tempo
Você é meu
Vamos nos agarrar rápido ao sonho
Que tem o gosto e as bolhas do vinho
Quem sabe (quem sabe)
Se isso é real
Ou apenas algo que nós dois sonhamos?
O que parece agora um interlúdio
Poderia ser o começo do amor
Amar você
É viver em um mundo que é estranho
Muito mais do que meu coração pode suportar
Amar você
Faz todo o mundo mudar
Amando você, eu não poderia envelhecer
Não, ninguém sabe
Quando o amor terminará
Então até lá, doce amigo
O tempo é como um sonho
E agora, por um tempo, você é meu
Vamos nos agarrar rápido ao sonho
Que tem o gosto e as bolhas do vinho
Quem sabe (quem sabe)
Se isso é real
Ou apenas algo que nós dois sonhamos?
O que agora parece um interlúdio
Poderia ser o começo do amor
O que agora parece um interlúdio
Poderia ser o começo do amor
O que agora parece um interlúdio
Poderia ser o começo do amor

 

Música do Dia: Velvet Underground: Venus in Furs

Venus In Furs

Shiny, shiny, shiny boots of leather
Whiplash girlchild in the dark
Comes in bells, your servant, don’t forsake him
Strike, dear mistress, and cure his heart
Downy sins of streetlight fancies
Chase the costumes she shall wear
Ermine furs adorn the imperious
Severin, Severin awaits you there
I am tired, I am weary
I could sleep for a thousand years
A thousand dreams that would awake me
Different colors made of tears
Kiss the boot of shiny, shiny leather
Shiny leather in the dark
Tongue of thongs, the belt that does await you
Strike, dear mistress, and cure his heart
Severin, Severin, speak so slightly
Severin, down on your bended knee
Taste the whip, in love not given lightly
Taste the whip, now plead for me
I am tired, I am weary
I could sleep for a thousand years
A thousand dreams that would awake me
Different colors made of tears
Shiny, shiny, shiny boots of leather
Whiplash girlchild in the dark
Severin, your servant comes in bells, please don’t forsake him
Strike, dear mistress, and cure his heart

“Brilhantes, brilhantes, brilhantes botas de couro
Garotinha açoitada na escuridão
Vem ao sinal, seu servo, não o abandone
Golpeie, cara senhora, e cure o coração dele”