Posts Tagged ‘new order’

Música do Dia: New Order – Bizarre Love Triangle

Every time I think of you
I feel shot right through with a bolt of blue
It’s no problem of mine but it’s a problem I find
Living a life that I can’t leave behind
There’s no sense in telling me
The wisdom of a fool won’t set you free
But that’s the way that it goes
And it’s what nobody knows
While every day my confusion grows

Every time I see you falling
I get down on my knees and pray
I’m waiting for that final moment
You’ll say the words that I can’t say

I feel fine and I feel good
I’m feeling like I never should
Whenever I get this way, I just don’t know what to say
Why can’t we be ourselves like we were yesterday
I’m not sure what this could mean
I don’t think you’re what you seem
I do admit to myself
That if I hurt someone else
Then I’ll never see just what we’re meant to be

Every time I see you falling
I get down on my knees and pray
I’m waiting for that final moment
You’ll say the words that I can’t say

Anúncios

*Joy Division* – O Marco do Pós-Punk

O Joy Division é, sem sombra de dúvida, uma das bandas mais importantes do pós-punk. Sem eles, o mundo underground não seria o mesmo. Letras ácidas, ritmo marcante,  músicos criativos e um vocalista fora de série, este era o JOY DIVISION, uma banda visionária e audaciosa.

O Joy nasceu na Inglaterra no ano de 1976, em Manchester (Inglaterra). A formação definitiva era Ian Curtis, Peter Hook, Stephen Morris e Bernard Sumner. Eles faziam um som inovador, com músicas críticas e que faziam pensar. As influências do grupo foram muitas, desde o Glam rock de David Bowie, o som melancólico do The Doors,  o eletrônico do Kraftwerk, passando pela forte cena punk inglesa da época, tanto que um dos primeiros encontros do grupo se deu em um show do Sex Pistols.

O primeiro nome da banda foi “Warsal”, mas os músicos decidiram mudar para Joy Division, que remete as áreas de prostituição oferecidas aos soldados nazistas na Segunda Guerra Mundial. As críticas e a idolatria ao Joy Division são muitas. Muitos ligam a banda ao nazismo, já que existem várias referências em sua identidade, outros os consideram depressivos e intimistas demais, ou ainda um grupo digno de idolatria, com letras a serem estudadas e apreciadas,  mas ninguém contesta a originalidade, qualidade e importância do Joy Division para a música. O grupo acabou em 1980, depois da morte prematura do vocalista Ian Curtis. Com o fim do Joy Division, os remanescentes criaram uma das bandas mais importantes dos anos 80 e que influenciou fortemente o movimento new wave e a música eletrônica: New Order.

Ian Curtis – Um Caso a Parte

Um menino tímido, que adorava punk e era fã de David Bowie e Iggy Pop, muitas vezes conturbado e confuso, as vezes indefeso e carente. Este era Ian Curtis. Se é que é possível adjetivar uma pessoa como ele. Ian era a voz e a  alma do grupo. Composições ferozes, dramáticas, solitárias, que muitas vezes transpareciam sentimentos reais de um jovem que se casou muito cedo e sofria de eplepsia. Com a descoberta da doença veio também o uso das drogas, que não aliviavam muito o seu sofrimento e prejudicavam sua saúde. Ian casou-se com Deborah (com quem teve uma filha, Natalie) e por um tempo manteve um caso conturbado com Annik Honoré.  Uma incógnita talvez, mas que deixou um legado às gerações seguintes. Ian cometeu suicidou-se no dia 18 de maio de 1980, enforcou-se com uma corda de varal depois de assistir ao fime “Stroszek” de Werner Herzog. Tinha apenas 23 anos… Um dia antes da tão esperada turnê pelos Estados Unidos.

Ian Curtis E Deborah no casamento em 1975

Unknown Pleasures

Closer

Para Saber Mais

Para Saber mais sobre o Joy Division e o New Order, vejam estes filmes e documentários:

Baixe as músicas do Joy Division AQUI

SynthPop Nos Anos 1980

O Synthpop é um dos movimentos de maior destaque na década de 1980. Nomes como Soft Cell, Depeche Mode, New Order e Information Society, apenas para citar alguns, ajudaram a difundir o gênero, que tornou-se uma referência no meio musical até os dias de hoje. O Synthpop é um tipo de som eletrônico, feito com o uso de instrumentos tradicionais do rock, como a guitarra e o contra-baixo e com o uso de equipamentos eletrônicos como o Sample e o “Sintetizador”. Influênciados por nomes

 como Kraftwerk, esses grupos inovaram com Hits como “Blue Monday”, “Running”, “Just Get Enough” e “Tainted Love”. As músicas são uma combinação perfeita de rock e música eletrônica, com letras que falam de amor, desilusão e diversão!

Depeche Mode

New Order

Muitas vezes não é necessário uma banda enorme para fazer um bom som. Apenas um Duo já é o suficiente, já que é possível fazer várias coisas com apenas um instrumento sem perder qualidade e  criatividade. É o caso do Erasure e do Soft Cell.

Erasure

Soft Cell

Site Oficial Depeche Mode

Site Oficial New Order

Site Oficial Marc Almond

Site Oficial Erasure